Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Sobre os incómodos

Anda tudo muito incomodado com o início no Big Brother. Tudo tão incomodado que as audiências parece que dispararam, mesmo sendo dia de futebol ou lá o que era. Anda tudo muito incomodado com os comentários do Sócrates na RTP. Mas aquilo vai tendo quilos de audiências.

Meus amigos, eu não tenho incómodos desses. Uma pessoa quando não quer ser incomodada é muito simples, não liga a televisão ou coloca noutro canal qualquer. A maioria da malta até tem Zon ou Meo, portanto, não faltam canais à escolha. Se tiverem crias como eu, a caixinha oscila entre o Baby First, o Disney Junior e o Disney Channel. Quando as crias adormecem, oscila entre AXN, Fox, Fox Life, Fox Crime, Hollywood. Às vezes até vai parar ao freak show channel, do TLC, quando estou numa de vegetar. Ou até me dá para ver as crises das Kardashians ou do Ice T, quando estou com insónias. Mas eu só vejo o Big Brother, comentários do Socrátes e outras coisas se me apetecer. Ninguém me obriga. Portanto, não sejam chatinhos! Parece aquele pessoal que jura a pés juntos que não vê novelas, mas sabe o nome de todas as personagens e sabe o desenrolar da história toda. Então, espreitar pelo canto do olho também é ver, certo?

 

 

Cenas muito caricatas

A notícia, per se, já é um bocado caricata. Depois uma pessoa intriga-se e tenta procurar mais informação. Nomeadamente, fotos dos gajos expulsos. Porque enfim, deviam ser uma bomba. Na pesquisa surge isto! Se a notícia já era engraçada, mais engraçado é encontrá-la num site, com uma foto do Ben Stiller no filme Zoolander e uma legenda na foto a dizer que foi um dos gajos atraentes que foi expulso! A sério, senhores de Moçambique, melhores pesquisas, se faz favor!

 

 

PS - eu tenho um problema patológico qualquer, nomeadamente de ser um bocado lerda da cabeça, e vai-se a ver confundo sempre o Adam Sandler com o Ben Stiller! Quando vi isto pensava que era o Adam Sandler, mas depois lá me explicaram que era o Ben. Mas pronto, ao menos sei que são dois actores americanos. A minha confusão vem de fazerem regularmente filmes onde fazem de parvos, burros, idiotas e assim. Mas sei que não são dos Emirados Árabes Unidos.

Dias bons

Solinho. Almoçar com o marido. Solinho. Encher a cara de Sushi. Solinho. Café. Solinho nas fuças. Querer ficar no solinho o resto da tarde. Não pode ser. Aquário. Solinho. Sair cedo. Solinho. Chegar a casa cedo. Solinho.

 

Sai um Óscar ou uma coisa qualquer para premiar a genialidade deste senhor, se faz favor!

Notas para um discurso no futuro próximo

Portugueses,

 

O Governo, preocupado com o aumento do desemprego, criou legislação que  permitiria reduzir a taxa de desemprego em 50 por cento. Era uma medida corajosa  que consistia no seguinte: executar, com um tiro na nuca, 500 mil desempregados.  Mais uma vez, o tribunal rejeitou a medida por violar aquilo a que os juízes  chamam, naquele jargão jurídico impenetrável, a "lei". Como já tem vindo a ser  habitual, os tribunais ignoram a situação económica de emergência em que nos  encontramos e, alegando mariquices como a conformidade às leis fundamentais do  País, impedem que se faça aquilo que tem de ser feito. Essa atitude, como é  evidente, bloqueia a acção do Governo. Perante o que se tem visto, parece-me  desnecessário sequer colocar à consideração do Parlamento a criação do campo de  concentração para reformados, ou o fuzilamento dos professores excedentários,  uma vez que é sabido, de antemão, que serão rejeitados pelos tribunais com base  num pormenor técnico qualquer.

 

Aquilo que aconteceu com o Orçamento Geral do Estado, que foi vítima de uma  má vontade que nenhum outro documento oficial alguma vez teve de suportar, ainda  está bem presente na memória de todos. Ao fim de 50 dias, disseram que o  orçamento estava errado. Ao fim de 90, disseram que era ilegal. Não me  surpreenderia que, dentro de uma semana ou duas, alguém dissesse que o orçamento  era pedófilo. Encontramo-nos neste nível de embirração. Parem de ser picuinhas e  deixem-nos governar.

 

Pelo segundo ano consecutivo, o Tribunal Constitucional chumba artigos do  Orçamento de Estado. Estamos perante um vício - e um vício caro, uma vez que são  artigos que custam milhares de milhões de euros. Trata-se de um escândalo que os  juízes do Tribunal Constitucional se permitam provocar um desvio destes nas  contas públicas. A única pessoa que está autorizada a provocar desvios colossais  nas contas públicas é o sr. ministro das Finanças.

 

Vivemos tempos difíceis. O sonho de Francisco Sá Carneiro era: um Governo,  uma maioria, um Presidente. Eu, como disse há dias Ricardo Araújo Pereira (é  mesmo engraçado, aquele rapaz), sonho um pouco mais alto: só me satisfaço se  puder governar com um Governo, uma maioria, um Presidente e a Constituição de  1933. Com a que temos neste momento, que vigora há mais de 30 anos e foi  aprovada com os votos favoráveis do partido a que presido, descobri agora que é  impossível.

 

O ainda primeiro-ministro,

 

Pedro Passos Coelho

 

(Visão, Ricardo Araújo Pereira)