Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Haiti

Notícias sobre sismos são sempre constrangedoras, especialmente quando ao longo da semana os números das vítimas mortais não param de aumentar.

Já se fala em 45 mil mortos assim como já vi notícias que apontavam para os 100 mil. Algures no meio deve estar a virtude.
A intensidade do abalo foi tal que com o nível de destruição causado é impossível o Haiti ter meios para se voltar a erguer sozinho.
Ajuda internacional a caminho…
Solidariedade internacional…nisto inclui-se a empresa onde trabalho, que fez um donativo simpático e criou formas de incentivar a participação dos colaboradores no acto solidário. Por cada 1€ a empresa irá doar mais 2€.
Além da consternação, ouvi e li algumas notícias que me fazem colocar algumas questões:
  • Vários membros da ONU desaparecidos e incontactáveis – Os membros da ONU têm como uma das suas missões prestar auxílio internacional em situações de catástrofe. E quem olha por eles e presta auxílio quando eles ficam impossibilitados de o fazer?
  • A notícia de hoje sobre os sobreviventes estarem irados com a demora no auxílio e terem decidido barricar estradas empilhando corpos!!! Acho moralmente condenável, perigoso em termos de saúde pública e arriscam-se a que pessoas com poder de decisão voltem atrás quanto a prestar ajuda. Percebo o desespero…a situação, a falta de comida e água potável, entre outros, mas não percebo a escolha para se manifestarem…

Já dizia a minha avó: “Quem precisa, precisa sempre mas quem ajuda, pode não ajudar sempre”.

  • Fala-se que a situação é assim tão drástica pelo facto do Haiti ser paupérrimo. É verdade que num país onde se diz que os habitantes comem bolos de lama para matar a fome será difícil terem meios financeiros e técnicos para recuperarem deste nível de danos, ou mesmo de um nível inferior.

Mas não é só em países pobres que isto acontece. Já ocorreram sismos em muitas partes do mundo e, ricos ou pobres, todos os países entram em desespero e não conseguem pôr em acção os mecanismos de resolução de catástrofe por muito planeados que estivessem.

  • Penso o que aconteceria se fosse em Portugal. Não comemos bolos de lama, mas nem quero imaginar. Já é terrível o que acontece quando chove um pouco mais ou quando há ventos mais fortes. Um temporal médio e já fica tudo caótico!

 

God help us all!!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.