Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

A ida inesperada a Paris

Na semana de 9 de Abril (este post começou a ser escrito há imenso tempo, mas depois ficou pendurado), na quarta-feira, comunicaram que era preciso uma pessoa de Lisboa ir a Paris ajudar a equipa de lá com o trabalho, porque estavam debaixo de água.

Ofereci-me, já que mais ninguém parecia muito interessado. Depois na quinta-feira confirmaram-me que ia, mas afinal ia mais uma pessoa. E então, sexta-feira, hotel e vôos marcados e lá fomos as duas no domingo.

Não podia ter tido mais sorte com a companhia! Foi excelente porque, apesar da saudades de casa e da família, estavamos as duas completamente na mesma onda e portanto, conseguimos conciliar super bem o trabalho com algum turismo. 

Chegámos a Paris no domingo à noite, portanto, foi ir directo para o quarto do hotel desfazer a mala e descansar. No dia seguinte, full day in the office working. Às seis da tarde saímos, uma troca de roupa e sapatos no hotel e lá fomos nós ver onde o passe dos transportes nos levava.

 

Segunda-feira foi noite de ir até à Torre Eiffel. Fotos e mais fotos e mais fotos. E a espera por ver a Torre iluminada. O jantar foi num café que ficava numa rua muito próxima, portanto, a seguir ao jantar, fomos a correr ver as luzes e depois, maratona de metro até chegar ao hotel. 

 

30725832_10211728913199161_4484612002876841822_n.j

(sempre sonhei comer num destes cafés de toldos vermelhos e luzinhas em Paris)

 

30738735_10211728912879153_6512564327466274795_n.j

(a emoção de estar em Paris foi tanta, que até fiquei amarela)

 

No dia seguinte, a mesma rotina, um local diferente. Fomos espreitar as Galerias Lafayette. Não conseguimos ver lá muita coisa, porque para os franceses, um bom centro comercial e as lojas de rua, pelo menos ali naquela zona, são para fechar às 20h30. Uma desilusão, portanto. Uma pessoa a querer comprar um Chanelzito e nem teve tempo! Mas vingámo-nos e gastámos 2,5€ num macarron. Só porque sim (depois bem que descobrimos como fomos roubadas).

Mas valeu a pena ver aquele edifício por dentro, porque é lindíssimo. E ver ali à volta os edifícios da Ópera e da Academia de Música, que também são bem bonitos. O jantar foi um restaurante libanês que nos tinham recomendado e que, de repente, demos conta de estar mesmo perto. Muito bom, para quem aprecia comida libanesa.

 

30708892_10211735341359861_461794930588030843_n.jp

 

30709995_10211735342199882_3305681963587300049_n.j

 

30714208_10211735340759846_4441080614128588987_n.j

 

Na quarta-feira quisémos ir ao Quartier Latin. Não percam, se forem a Paris, porque vale bem a pena, fazer toda aquela zona da Sourbonne, passear a pé junto ao rio, ir até à Notre Dame e depois entrar naquele bairro cheio de vida, restaurantes e lojas. 

 

30704690_10211741484593438_2932098705449152844_n.j

 

30709228_10211741484073425_7905438052002025441_n.j

Fiquei tão apaixonada por esta casinha à beira-rio, que nem sabem!

 

30724048_10211741481713366_8623622693647812283_n.j

 

30725003_10211741476953247_9200009565393843135_n.j

 

30728235_10211741481233354_47760950391121075_n.jpg

 

30738485_10211741481033349_8474595916520873691_n.j

 

30742535_10211741484953447_381236592920576208_n.jp

 

 

30704546_10211741477873270_5114399444503837837_n.j

30715779_10211741478633289_3852196159002851688_n.j

30738865_10211741477313256_7081076029281657492_n.j

30741166_10211741478113276_6882311124243351764_n.j

Esta lojinha, perdida algures no meio de uma viela meio escondida, era uma delícia!

 

  

No jantar, a sobremesa foi creme brulée, porque uma vez na ementa, não podíamos perder.

 

30713922_10211741486273480_6573888560534169161_n.j

Era bom, mas não sei se troco pelo nosso arroz doce, especialmente acabadinho de fazer...

 

 

No último dia para turismo, o grande objectivo era ir até ao Sacre Coeur. Estava um calor do catano e a subida era dura, com muitas escadas a pique, mas depois valeu bem a pena chegar ao cimo da colina, ver aquela igreja magnífica, sentir aquela paz, ver aquela vista. Muito giro. Ainda conseguimos ir dentro da igreja (e era de borla). 

 

30705218_10211750893708660_6196006720868247893_n.j

 

30724240_10211750895428703_2695103712050091493_n.j

 

30740372_10211750888308525_988785550529662695_n.jp

 

30742160_10211750887868514_4678342419822252305_n.j

 

30742420_10211750890628583_82006431136861315_n.jpg

 

30743248_10211750886708485_8354694412959868425_n.j

 

30743477_10211750890988592_222484608011479032_n.jp

 

30743808_10211750895788712_6040692499191206992_n.j

 

30762924_10211750887508505_7676957459898295084_n.j

 

31052290_10211750887188497_3508917690785380175_n.j

 

31062264_10211750891388602_2724435749433816049_n.j

 

31093407_10211750893068644_4292827747470659049_n.j

 

31117967_10211750889028543_6364082618528022193_n.j

 

As ruas ali à volta do Sacre Coeur, aquele bairro de Montmartre é delicioso, com ruas estreitas, pejadas de cafés, restaurantes, lojinhas, galerias, tudo com um ar acolhedor. Por nossa real vontade, era num daqueles cafés que tinhamos jantado. Só que a estação de Metro que tinhamos de apanhar para voltar para o hotel ficava numa zona um bocado manhosa, que mesmo ao final da tarde não tinha bom aspecto. Portanto, tirámos as fotos, demos umas voltinhas, vingámo-nos em lojas de chocolates trazendo mais doces, mas assim que começou a ficar escuro, descemos até à estação de Metro. Foi a única zona onde me senti a acelerar o passo e estava desejosa de chegar ao Metro. Acabámos por jantar ao pé do hotel, naquilo que foi uma péssima escolha. Por isso, não vamos comentar esse jantar, que até me dói a barriga só de me lembrar da porcaria. Mais valia ter atirado uma nota pela janela. Tinha sido melhor. Coff coff

 

No último dia, ainda estivémos no escritório até às quatro e meia da tarde, mas depois fizémo-nos à estrada porque o trânsito para o centro de Paris e zonas de aeroportos é sempre caótico. Assim chegámos com calma e tempo ao aeroporto e ainda tivémos tempo para umas comprinhas last minute nas poucas lojas que tinha. 

 

E foi maravilhoso voltar a ver as luzes de Lisboa e voltar a tocar o solo português e abraçar a família.

 

31154334_10211756714454175_303286243234712304_n.jp

 

Agora falemos das partes menos boas. Paris é encantador, mas tem coisas muito estranhas. A falta de água é uma delas. Pessoas, que falta de banho! Para toda a gente. Falta de banho e falta de lavar a roupinha que usam. Uma pessoa tinha muitos momentos em que teria agradecido não ter olfacto. Uma noite passou por mim uma rapariga realmente lavadinha e perfumada e é capaz de ter sido um dos momentos altos da semana.

E há pessoas com muito mau aspecto que de repente nos aparecem à frente. Nas ruas, no Metro e qualquer lado. Weird!

E Paris é sujo também. As ruas, o Metro. A poluição é muita e a falta de água também. Quando pus a roupa para lavar e olhei bem para ela nem queria acreditar nas mangas sujas e no aspecto encardido da roupa, só de me ter encostado no Metro e coisas assim. Até apetecia meter lexívia.

O terrorismo que Paris sentiu há uns tempos continua a fazer-se notar. Ir à Torre Eiffel e ter a base da Torre toda vedada com uma entrada de controlo de segurança, tipo aeroporto, é compreensível mas tira muito do encanto. Quando lá estive aquilo era um espaço aberto, bonito e ajardinado, agora parece um estaleiro. Mas ao menos tentam minimizar a hipótese de entrar ali um maluco qualquer para estoirar a Torre e as pessoas a ver a Torre.

E também havia uma ou outra zona com gajos armados até aos dentes, umas vezes da polícia, outras vezes do Exército.

 

E sim, fomos roubadas no macarron das Galerias Lafayette. 2,5€, remember? Nas outras lojinhas onde provámos, eram 80 cêntimos! Na verdade, foi o melhor macarron de todos. Mas com 2,5€ tinhamos comprado 3 macarrons nas outras lojas. Chulos!

 

C'est la vie!

 

Por ver, ficou ainda, a Avenida dos Campos Elísios, o Louvre, o Arco do Triunfo, os Jardins do Luxemburgo e muitas outras coisas. 

2 comentários

Comentar post