Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Leitura Terminada

book3.jpg

Este livro foi gentilmente oferecido pela Saída de Emergência ao nosso projecto Book Swap já há algum tempo. Finalmente consegui algum tempo para lhe pegar, depois de o livro ter reaparecido na estante após ter sido requisitado por alguém que acabou por não o ler. Aunf!! Isto às vezes não é fácil...

É um livro que se lê bastante rápido porque o autor, apesar de abordar temas com alguma complexidade, fá-lo de uma forma ligeira e humorada.

No fundo, este livro é um desafio, um desafio para olharmos para as coisas de outra forma, para conseguirmos perceber melhor como nos relacionamos uns com os outros e como nos integramos no mundo. O que gostei mais foi de ter sido surpreendida porque achei que ia ser um livro demasiado na linha da autoajuda, cheio de dicas motivacionais e clichés, e não é nada disso!

O autor apresenta-nos bastantes dados de psicologia e sabedoria de vários filósofos como Nietzsche ou Kant, aborda questões políticas e religiosas e questiona a forma como nos relacionamos com o dinheiro, com a internet, com o nosso emprego, com a nossa família e tenta explicar por que razão tudo à nossa volta parece tão lixado, quando vivemos numa época tão mais evoluída e com acesso a tantos bens materiais e tecnologicamente avançada. Por que razão nos sentimos às vezes tão infelizes?

E o autor coloca como o vilão da história a esperança. Parece complicado? Sim, porque por um lado diz que o ser humano precisa de esperança, mas depois é a esperança que atrapalha tudo – a Verdade Desconfortável.

Gostei particularmente das definições bem-humoradas sobre o Cérebro que Pensa e o Cérebro que Sente e como por vezes nos deixamos dominar por este (sei bem o que é…).

Na verdade, é um livro que nos explica algumas coisas, que apresenta teorias sobre a psicologia humana e os relacionamentos, mas que acaba por não apresentar soluções, deixa-nos apenas a pensar nas situações para que consigamos talvez perceber que temos tudo para ser felizes e que apenas temos de ter sempre esperança e não nos podemos deixar afogar em frustrações, porque neste mundo de bens materiais sentimos sempre que temos de ter mais e mais e por isso nunca estamos satisfeitos.

Digamos que o autor nos diz algumas verdades desconfortáveis, coisas que não gostamos muito de “ouvir”, mas que são como aqueles ralhetes e puxões de orelhas que depois nos fazem bem.

Apenas me senti bastante desconfortável com o capítulo final porque aborda a temática da inteligência artificial, que é algo que mexe comigo, este pensar que um dia as máquinas podem substituir em muito a humanidade. Porque fico sempre a pensar em como fica o mundo depois disso e não o imagino algo de bom.

Bem sei que o ser humano tem esta coisa do Cérebro que Sente que às vezes atrapalha, mas é isso que nos torna tão complexos e interessantes. Como gostava de acreditar num mundo cada vez mais humanizado, não gostei muito da nota final, mas tem a ver com a minha perceção emocional e idealista sobre o mundo. Porque, lá está, tenho sempre esperança que a humanidade evolua para algo melhor…e não que desapareça ou deixe de ser necessária.

Recomendo esta leitura. É bastante interessante! Podemos não concordar com tudo o que autor diz, mas é uma abordagem diferente e até controversa, que nos deixa bastante material para refletir. O que é mesmo o mote da chancela Desassossego…“livros para pensar”.

Muito obrigada à Saída de Emergência pelo envio deste exemplar!

 

SDE.jpg

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.