Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Leitura terminada

18761692_fJSgL.jpeg

 

 

Sim, leu-se assim tão rápido! Eu desconfiei, quando lhe peguei, que ia ser assim.

 

Digamos que estou em choque. Ler um livro destes é difícil. É muito difícil. Porque aqui não se avalia a qualidade literária da escritora. Isto não é uma história de ficção, não é uma fantasia. Isto é a história contada em primeira mão pela vítima a quem isto aconteceu. Sendo isto uma coisa horrível. Da qual eu confesso que não tinha ouvido falar.

 

Eu digo-vos uma coisa, sentia-me sempre em taquicardia e a pensar "Eu não quero ler a próxima página" em cada página que virava, conseguem perceber? Porque morria de medo do que vinha a seguir. Mas tinha muita dificuldade em parar de ler. Isto foi uma coisa surreal!

 

Já se ouviram ou leram história de namorados, ex-namorados, maridos, ex-maridos que atacam as mulheres. Lembro-me de histórias de mulheres regadas a gasolina para a seguir serem incendiadas. E coisas deste género. Mas o sadismo deste homem era assim qualquer coisa de inexplicável. Ser capaz de fazer o que fez com as próprias mãos é...incrívelmente mau!

 

Lembro-me de ouvir dizer que, em tribunal, uma pessoa leva uma pena maior se matar alguém com uma faca do que com uma pistola. Porque é preciso mais sangue-frio para o fazer. E para fazer o que este homem fez? É um bloco de gelo. Ou alguém muito doente.

 

Enfim, é um livro que se devora por ser tão assustador. Passei o tempo com medo do que ele ia fazer a seguir e com medo do que a Tina também ia fazer a seguir. O voltar constantemente para ele, o acreditar que ele ia mudar, o precisar dele como se de uma droga se tratasse...fez-me confusão. Apetecia-me gritar-lhe "Não, Tina, por favor, não faças isso, pá". Mas ela não me ouvia. Mas, na verdade, depois de nos destruirem a auto-estima se calhar é fácil acreditar que temos aquilo que merecemos.

 

Algumas frases:

 

"Diz-se que nunca se deve voltar para viver no lugar onde se cresceu."

 

"A única coisa de que uma pessoa precisa para viver é ter familiares e amigos com quem possa contar."

 

"Estava dividida entre achar-me uma idiota por me ter deixado cegar pelo seu encanto e culpar-me por trazer ao de cima o que de pior havia nele. Quando uma pessoa começa a sentir que está no fosso baixa os seus padrões, porque sente que não merece melhor."

 

Algumas incoerências ou partes que me deixaram dúvidas:

Havia partes em que não se percebia bem o enquadramento de uma situação. Algo do género "tudo começou porque estávamos a discutir na cozinha". A discutir sobre o quê? Foi ela quem começou? Algumas passagens em que parecia faltar algum contexto. A parte de a Tina, que em algumas partes refere mal ter dinheiro para comprar comida, de repente teve dinheiro para remodelar e mobilar a casa toda. De onde veio o dinheiro? Ser referido diversas vezes que os filhos estavam com o pai de um deles (o que parecia ser com alguma frequência). Não costuma ser muito frequente o pai de um filho ficar constantemente com uma outra criança que não é sua (sendo que parece que nunca ficava com o próprio pai) - o que se calhar tem uma qualquer explicação lógica, mas não aparece no livro e deixa-nos algo confusas.

 

Ainda assim, um livro imperdível sobre coragem e sobrevivência! E um alerta para situações de violência doméstica.

 

PS - Bom, depois de ler o livro tive curiosidade e pesquisei o nome Tina Nash. E fiquei ainda mais horrorizada (pensei que não era possível). Mas deparei-me com uma notícia em que se diz que, 2 anos depois da agressão por Shane Jenkins, Tina Nash voltou a sofrer um mau momento com o novo namorado Roland Alli que a terá agredido com uma faca em casa (ainda que não estejam bem explicados os contornos da situação), tendo sido condenado a 14 semanas de prisão (isto foi em 2013) e a uma ordem de restrição de aproximação (que resultou muito bem no caso de Shane Jenkins [ainda gostava de perceber qual a lógica dos juízes quando passam uma ordem destas - a sério que acham que um pedaço de papel impede alguma coisa?])...

 

Eu não passei por isto, mas interroguei-me "se tivesse passado ia querer estar novamente com alguém?". Sinceramente achei que não. Mas quem sabe, talvez, depois de recuperar, querer acreditar, não querer passar o resto da vida sozinha...Mas bolas, há pessoas que parece que têm um íman para coisas horríveis e pessoas horríveis!! Mais vale estar sozinha...

 

Desculpem se vos choca, mas deixo-vos uma foto da verdadeira Tina Nash, onde podemos ver como ficou depois do ataque de Shane Jenkins (depois de recuperada das nódoas negras e inchaços, claro) - sem um olho e com o outro coberto com um olho de vidro, por ter ficado danificado de forma irrecuperável.

 

article-2147585-1335FE65000005DC-57_306x423.jpg