Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Leitura terminada

livro_583.gif

 

Um livrinho com apenas 171 páginas. É dos mais pequenos que li nos últimos tempos. Contudo, o volume de um livro não é tudo. Pode ser pequeno, mas é bastante interessante.

 

Antes de mais tenho de confessar a minha (grande) ignorância em matérias de política internacional, principalmente de certos países árabes e afins. Acho essas zonas assim muito a dar para o complicado e confuso, por isso nem me costumo dar ao trabalho de perceber.

 

 

Se já tinha ouvido falar em Khadafi (ou Muammar al-Gaddafi)? Sim, claro. E de ser da Líbia? Sim, também. O resto, pormenores da vida política e assim estava longe de saber. Acho que nem me lembrava que o senhor também já tinha morrido.

 

Bom, feito o disclaimer sobre a minha ignorância (que é uma vergonha, mas paciência), o que dizer deste livro?

 

Yasmina Khadra tem aquela forma de escrever muito cativante. Depois neste livro tenta (e consegue?) entrar na mente de um tirano, passando-nos a ideia do que talvez seja possível que sejam os pensamentos e os ideais de um ditador, de um tirano, de alguém megalómano e sanguinário. E acho que o consegue fazer. Porque me pareceu bastante verossímil nesse aspecto. Pareceu-me que era realmente possível que certas coisas fossem ditas e pensadas por aquele ditador (ou até qualquer outro). O que é assustador. Porque deve ser disto e pior!

 

Ou seja, no livro existem partes factuais e partes ficcionadas e quase não conseguimos perceber o que é uma coisa e o que é outra. Porque é tudo tão fluído e parece fazer tanto sentido que quase nem se questiona.

 

Achei um livro brilhante e que, pelo menos, me fez pesquisar um pouco sobre este líder Líbio para ter uma ideia resumida do assunto. 

 

Se também tiverem curiosidade (isto se não forem pessoas informadas como eu) podem ver algumas coisas aqui, por exemplo.

 

Se é o meu género favorito de livro? Não é bem. Mas acabei por gostar bastante, por ser diferente e por me aguçar a curiosidade e fazer pensar um pouco.

 

Obrigada, Bizâncio pela oportunidade! Foi um livro fantástico!

1 comentário

Comentar post