Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Curly aos Bocadinhos

Curly aos Bocadinhos

Leitura Terminada

CAPA Uma praça em Antuérpia - Portugal 2015.jpg

Eu sabia que ia chorar com este livro!

Oh pá, a sério! Que livro!!

Desconhecia esta autora. O livro foi-me emprestado pela minha primocas e, sem dúvida, fiquei fã! 

O livro passa-se principalmente na II Guerra Mundial, se bem que com algumas passagens pela Primeira e outras por 2000.

Conta-nos a história de duas irmãs, Clarice e Olívia e as suas estórias, principalmente o casamento de Clarice com Theodor, um judeu comunista fugido há uns tempos. Mas também a história de Olívia, que fica em Portugal enquanto a sua irmã parte para Antuérpia. O livro começa com Olívia nos seus oitenta e tal anos, na noite de passagem de ano do Milénio (2000). E é aí que levamos com o segredo tantos anos guardado nas fuças e ficamos histéricas à procura de desvendar toda a história e de perceber o que aconteceu, sempre na esperança de que corra tudo bem.

Como imaginam, é um livro duro de ler se forem um bocadinho humanos e se sentirem horrorizados ao ler e ao pensar o que foi o sofrimento dos judeus às mãos de Hitler e seus lacaios.

E também nos dá um retrato do Portugal de Salazar, que também era complicado. E apresenta-nos a figura de Aristides de Sousa Mendes e fala-nos do papel fundamental que teve o enfrentar Salazar passando vistos a judeus.

As duas irmãs, gémeas, seguem destinos diferentes, até à altura em que se voltam a conseguir encontrar e é então que tudo corre mal. Não é um romance cor de rosa, não é uma história de amor romântica, é um livro duro, crú, muito emotivo e que nos fala de sofrimento, de amor, sim, de família, de luta, de sobrevivência, de morte e de esperança.

Porque depois tem um final fabuloso que me fez chorar imenso (para lá de um ou outro momento em que também choraminguei).

A escrita é fantástica. A fluidez da escrita tendo como pano de fundo a II Guerra Mundial, com as invasões da Alemanha a vários países e a perseguição aos judeus é fabulosa. Porque é um tema muito difícil mas uma pessoa tem dificuldade em parar de ler e nem dá conta, porque a autora consegue tornar um tema tão pesado em algo leve.

Tanto assim que ontem fui dormir bem mais tarde do que devia porque não podia deixar de terminar o livro. Porque toda a crueza é envolvida em muito sentimento, em muita emoção, em personagens com que nos envolvemos imediatamente e a quem só desejamos o melhor.

Ainda que tenha havido um momento na história que eu não consegui perceber bem o porquê (por que raio é que Olívia decidiu aparecer onde apareceu?) e isso é determinante para o desenrolar da história a partir daí, é um livro que nos deixa a pensar sobre o quanto as pessoas sofreram e o quanto a sobrevivência era uma necessidade animal.

E depois tem alguns elementos surpresa que, de facto, me deixaram abananada.

Sinceramente não sei se o livro está perfeito em termos de factos históricos, mas também não quero saber. 

Foi um livro fantástico que adorei! E é isso que tenho a dizer!